Google + Jovem Foodie: Junho 2012

30 de junho de 2012

Doces muito doces

Tem doce mais doce que o doce de batata doce? Tem, os que a gente vê na culinária brasileira. Vamos entender isso melhor?


Apesar de parecer que eu tenho um sweet tooth (queda por doces em geral), doces muito doces não me agradam. Tá, deixa eu explicar direito:
Sabe quando a gente é criança, e mistura leite condensado com achocolatado, e já come com um copo de água preparado do lado, de tão doce que fica? Isso é um doce muito doce, que causa aquela sensação "GLICOOOSE NA VEIA" que eu não gosto.
No Brasil, a maior parte das sobremesas é excessivamente doce. É o que dizem os foodies que já tiveram a oportunidade de comparar os nossos doces com os de estrangeiros.
Sabemos que esse paladar necessitado por açúcar tem a ver com o passado colonial brasileiro, que era ligado à cultura açucareira e canavieira, e também é ligado à confeitaria conventual portuguesa: quando os portugueses cá vieram, implementaram um sistema de agricultura com grandes canaviais. Da cana, se extrai o caldo de cana, que serve para fazer açúcar, rapadura, melaço. Apesar de o açúcar ser um "item de luxo", essa abundância de glicose prevaleceu.
E, já na bagagem das caravelas e naus, os portugueses trouxeram a cultura da doçaria conventual, ou seja, os doces que eram preparados em conventos. As freiras usavam a clara como goma de roupas, e as gemas que sobravam eram utilizadas em receitas (barriga de freira, pastel de natas, fios de ovos, pão de ló...).
Tudo bem que a cultura brasileira gosta, mas não significa que eu preciso dessa glicose toda de uma vez, né? A confeitaria francesa, por exemplo, apesar de ter uma ou outra receita mais "pesada" na glicose, apresenta sabores mais sutis.

Veja a foto no começo do post, que tem melaço de cana, bolo de rolo, doce de goiaba, quindim, baba de moça, pé de moleque, pudim de leite condensado, brigadeiro e rapadura. Quantas dessas sobremesas você já provou? Lembra do açúcar excessivo de todas elas? Chega a ser enjoativo, não é? Talvez não seja se você comparar dentro da própria confeitaria brasileira, mas agora, vamos ver o internacional:

A foto tem Sachertorte (Áustria), Profiteroles de massa choux (França), Cheesecake (estilo Nova York), Apple pie (Americana), Panna Cotta (Italia).
Em todas estas, você pode sentir as nuances de sabor dos ingredientes, ao invés da glicose pura. A Sachertorte - que você pode conhecer pelo restaurante Viena - de chocolate bem escuro, chega a ser seca à boca. A ausência do sabor excessivamente doce permite diferenciar o chocolate da cobertura, a massa e o recheio. Um cheesecake, mesmo com cobertura de doce de frutas, não é enjoativo. É tudo balanceado, equilibrado.

Por isso, quando eu vou fazer uma sobremesa que eu vou comer também, dou preferência aos sabores mais suaves. Meu cuscuz é light, não leva açúcar (e sim, um pouco de adoçante), meu brigadeiro de milho (já posto a receita) é adoçado apenas pelo leite condensado, minha pizza de chocolate é de ganache meio-amargo.
Quando falei que "minhas lombrigas" gostam de doces gelados, talvez seja porque a baixa temperatura amenize o excesso de açúcar. E quando eu for falar das lombrigas de novo, citarei doces que eu já fiz, e que são pouco açucarados. 
Agora você já entende porque minhas sobremesas são assim: é doce na medida certa para o paladar!

Abraços, foodie!

Maria mole

Como disse no post anterior, a batedeira fez o favor de quebrar enquanto essa maria mole saía. As pás da batedeira não fixavam, e era só bater por meio minuto que elas saíam do motor.
De qualquer forma, deu pra fazer a maria mole. Não ficou no ponto exato na hora, mas agora, gelada, ficou perfeita. Não está daquelas borrachudas, está desmanchando na boca, aerada e muito leve. Dá pra acabar com o tabuleiro fácil sem muito peso na consciência, já que não leva açúcar - só água, leite, gelatina, baunilha e adoçante. É light, mas comendo nem se nota.
Não vou postar receita, porque com esse incidente da batedeira tive que ir mudando na hora pra não "desandar" - maria mole fica pronta já na batedeira, a textura fica certa antes de ir pra geladeira, e não foi o caso. Mas prometo que assim que a nova batedeira vier, eu faço de novo e posto o passo a passo aqui.

Não coloquei no tabuleiro, mas coco ralado ou em flocos por cima dá o toque especial no prato.
Irresistível, com o coco pra servir.

Tão gostoso quanto essa maria mole é o cuscuz. Doce na medida certa, mas vou deixar para comentar mais pra frente.

Abraços foodie!

Pra inaugurar

Parece até que foi tudo combinado: lancei o blog ontem, e me apareceu um convite pra ir à pizzaria. Ainda não falei sobre, mas rodízios (churrasco, sushi e pizza) são minhas perdições. A pizzaria Parmê é sempre uma boa escolha pra rodízio de pizza.
O convite apareceu assim, à toa, em um momento de fome, conversando com a Bianca (uma amiga-irmã) pelo MSN. Foi perfeito até porque eu estava sem ideia do que ia comer, e meus pais estavam no mercado.

Luis e tia Fabiana quase não apareceram, mas é a que tem
"Vamos pra Parmê?"... Assim, numa sexta à noite. Precisa pensar duas vezes?

Outra coisa, é a batedeira daqui, que fez o favor de quebrar. E o mais tosco: fazendo maria mole! É gelatina, po, como ela foi quebrar? Haha
Mas também, essa batedeira teve vida longa aqui, nem lembro da que tivemos antes (se é que tivemos). Agora minha mãe sugeriu comprar uma planetária, daquelas que também vem com gancho para sovar massa pesada.
Só sei de uma coisa: pizzas caseiras estão vindo por aí (porque sovar massa na mão, não parece, mais cansa!)...

"Pizzas caseiras estão vindo"

29 de junho de 2012

O que atiça as lombrigas do Jovem Foodie?

No dia-a-dia, eu considero minha alimentação saudável. Não fico fissurado em carboidratos e gorduras, não sou muito fã de frituras em geral, como bastante vegetais, fibras, frutas. Só que no final de semana, acontecem meus momentos pé-na-jaca.
Eu como de tudo, pro que me convidar eu tô topando... Mas quando sou eu que escolho, aí tenho minhas preferências. Afinal, o que faz as minhas (não tão) solitárias se revirarem?
Pra começar, o que fica óbvio para quem entra no blog: sobremesas geladas

Torta, pavê, bolo úmido, mousse, cassata... Sobremesas geladas são as melhores!
Quer me ver feliz? Me dá uma fatia de torta ou bolo de aniversário, desses gelados que a gente compra em doceria... Torta de chocolate, morango, maracujá, cobertura de marshmallow ou mousse de chocolate. Deixo fácil de almoçar final de semana se tiver uma torta de sobremesa, e em festas, a hora de comer o bolo cantar parabéns é a mais esperada.

Churrasco com molho à campanha, e nada mai
Se você me chamar pra um almoço e eu cogitar não ir, é porque não é churrasco. Dá pra resistir àquela carne suculenta, macia, com sabor do defumado, e aquele molho à campanha azedinho? Não dá! Pode ser na churrasqueira comum, de tijolo ou elétrica, que é a salvação pra quem mora em apartamento como eu.

Salada de folhas, com pepino e muito tomate
Porque a salada do dia a dia é essencial, não é? Já é costume, pra almoçar ou jantar, tem que ter salada. Em geral, as folhas são de alface mesmo, com pepino com ou sem cascas cortados às custas das pontas dos meus dedos, e muito tomate. Um vermelho pelo licopeno, e um menos maduro pela crocância e acidez, como eu gosto.
No próximo post desse, vou falar sobre outras delícias, sobre receitas que eu preparo e que não consigo resistir, e também sobre o salgadinho de festa que é a grande maioria do que eu como em aniversários. É quase um vício haha.

Abraços foodie!

Começando o Jovem Foodie

Afinal, do que fala esse blog?
Como um maníaco pela esfera Foodie, vou tentar trazer para este blog todos os assuntos que envolvem a alimentação humana. Então, terá posts sobre restaurantes (novidades, pratos e resenhas de lugares que eu visito), algumas receitas diferentes e bem sucedidas, também postarei receitas adaptadas por mim para serem mais saudáveis. Além disso, trarei informações sobre o mundo da alimentação, como indústrias, pesquisas, curiosidades, pratos exóticos... será muita coisa.
Tentarei também fazer uma "boa da semana": eleger um prato que eu tenha provado na semana que tenha sido o mais marcante. Como eu tenho o hábito de tirar foto dos alimentos (flash diet), isso não será nenhum desafio pessoal.

Receitas saudáveis? What?
Sim! Afinal, minha paixão pelo mundo gourmet começou pela necessidade de fazer dieta. Então, para mim, é impossível lembrar de "você é aquilo que você come". Tento criar ou adaptar receitas para que fiquem tanto ou mais gostosas quanto a original, porém com menos calorias, ou com ingredientes mais saudáveis. Algumas pessoas sequer notam que, por exemplo, um cuscuz feito por mim não leva açúcar.

Mas vamos comer "bobagens"?
Claro! Minha alimentação saudável é a maior parte dos dias, mas nos finais de semana, todos merecem uma folga, não é?
Nos sábados e domingos, sempre tem aqui em casa algo delicioso e calórico, como tortas e bolos (como veem pelo logo), pizzas, kibes (outra paixão), massa branca (falarei disso em um post próximo) e outras deliciosidades.

Eu tenho hábitos alimentares estranhos para quem olha rápido, mas acho que com esse blog, todos poderão entender o que se passa dentro da minha cabeça Foodie.

"É sobre comida? Vamos conversar!"

Torta "Tentação de morango" da Parmê